8 de agosto de 2006

Eu Tu Ele Nós Vós Eles

A propósito do post anterior,lá no clube de vídeo dirijo-me às pessoas de uma maneira gentil e cordial, mas sempre na 3ª pessoa. Seja o sócio velho ou novo.
Isto porque independentemente da idade ou estatuto socio-económico, num negócio o cliente está em primeiro lugar e deve ser tratado com o devido respeito. Ainda que depois a barreira possa ser quebrada e seja o cliente a pedir um tratamento menos formal.
Uma das coisas que me deixa completamente passada quando estou a ser atendida é tratarem-me por tu, quando não me conhecem de lado nenhum. Salta-me a tampa, mas na maior parte dos casos,limito-me a fazer umas trombas monumentais e nem digo nada.
Isto aplica-se aos meus instrutores de condução. No outro dia, um deles estava deliciado a orientar a minha condução:
"-vira à esquerda!",
"-contorna pela direita!",
"-estás a perceber?"
eu respondi:
"-eu queria pedir-lhe uma coisa. Não me trate por tu, que eu não gosto."
ao que ele respondeu prontamente:
"-eu não te estou a tratar por tu, eu trato-te por Inês."
Eu estava já virada do avesso, vermelha de cólera mas limitei-me a encolher os ombros,bufei e disse para ele parar de se dirigir a mim na 2ª pessoa do singular. Rangi os dentes.
Realmente, o clube de vídeo anda-me a fazer muito bem aos nervos. Isto de lidar com o público também nos dá mais sangue frio. O homem safou-se de levar uma travagem brusca acompanhada de um berro estridente pelos ouvidos adentro.
Mesmo assim, duvido que ele tenha entendido o que eu quis dizer. Pelo sim, pelo não, da próxima vez levo uma gramática da língua portuguesa.
Burro.

3 comentários:

  1. Pois aqui a je, detesta que a tratem por "você", ou por "senhora" ou o raio q o parta. Sobretudo qdo é malta com idade próxima da minha. Adoro que me tratem por tu e é um sufoco qdo, por motivos profissionais, tenho que falar com engenheiros ou arquitectos da minha idade e estamos tds com o "você" p cima e p baixo! :P Bah
    Mas enfim. Se a Inês prefere que eu a trate por você, assim será... :P (é bom tê-la de volta ao mundo dos blogs)

    ResponderEliminar
  2. bem, é tudo uma questao de habito. eu nao gosto q um velho q nao me conhece de lado nenhum me ande ca com confianças ratinhas pra cima de mim.
    em relaçao ao trabalho...pela minha (pouca) experiencia,o pessoal trata-se por tu, mas quando a situaçao implica um tratamento mais formal, dirijo-me à pessoa pelo titulo ou entao pelo nome proprio, ("a mimi acha isto bem?").nada de "você",q fica muito feio.
    enfim, isto é so a minha opiniao...
    é bom estar de volta e é melhor ainda saber q ainda recebo ca visitas!! :D muitos beijinhos!***

    ResponderEliminar
  3. LOLOL!
    Lindo!

    Inês, na próxima aula berra-lhe pelos ouvidos a-dentro. Há poucas diferenças entre os instrutores de condução e os taxistas. Por outro lado, a grande semelhança que os une é mesmo a falta de chá, de paciência, de cidadania, de honestidade, de Bom trato. E acima de tudo, o tratamento de carne para canhão para com qualquer miuda(o) gira(o) abaixo dos 25. Não existe a mínima deferência para com os alunos, são uns pategos que não têm experiência de vida. E é pedaço a conquistar! Ou a abater, cuidado...

    ResponderEliminar