8 de setembro de 2005

Abílio II

Os filhos dos amigos dos meus pais eram uns putos invejosos como o raio e andavam sempre a chatear-me a dizer que tinham fome e que lhes apetecia coelho à caçador. E eu, que era uma ingénua, ficava muito triste e aterrorizada com a ideia de jantar o meu amiguinho Abílio.
O sr. Coelho passava os dias regalado a comer as couves que a minha mãe comprava na mercearia da nossa rua. O sr. Fernando (o merceeiro) começou a estranhar aqueles apetites de couves e perguntou quem é que adorava couves lá em casa. E a minha mãe lá respondeu que era o coelho da filha dela. O sr. Fernando sorriu e entretanto ficou rico à nossa conta, porque gastámos um dinheirão com as comidinhas de sua Alteza Real o Coelho Gourmet.
Aguentámos as asneiras do Abílio até ao dia em que decidimos devolvê-lo ao ex-dono. Não sei como é que os meus pais me conseguiram convencer, mas o que é certo é que não me lembro de ter esbracejado, nem esperneado nem nada. Não fiz fita. Devo ter concordado com a ideia de que ficava melhor ao pé dos outros coelhinhos.
Quando chegámos lá à quinta, o tal senhor olhou bem para o coelho e informou-nos que tínhamos chamado Abílio a uma coelha.
E nessa altura até fiquei contente, porque assim ela já podia ter filhinhos e ser feliz na sua casinha da quinta.

5 comentários:

  1. Ahhhhhh!!! Não foi para o tacho...ainda bem!
    Mas descobriste que o coelho era "transgender"...e fazia imitações em boites de segunda...

    Quanto tempo o abilio ficou aí por casa???Ao preço da couve o Sr. Fernando hoje deve de andar de BMW e ter uma quinta em Azeitão...

    ResponderEliminar
  2. Como é que nunca se lembraram de ver o sexo ao animal?
    E de comer tanta couve....não havia efeitos secundários?

    ResponderEliminar
  3. ahahah :D
    babaloud: nao me lembro quanto tempo é que o Abílio esteva cá em casa. Sei que foi o suficiente para fazer muitas asneiras :)
    pois, o sr. fernando é que deve ter ficado td triste qd´o Abílio foi devolvido.
    ambrozote:acho que no início vimos, e julgámos que era um macho. já nao me lembro desses pormenores, fikei em transe por ter um coelho, o resto nao importava muito.
    os efeitos secundários eram os "caganillos" (sotaque espanhol, sff)que ele fazia no cantinho dele.

    ResponderEliminar
  4. Grande post!!!De rir à garagalhada!

    Também tive um piriquito que no primeiro ano que mudei de casa veio parar ao terraço e que não sabíamos o género.Achamos por bem Alfredo.
    A partir daí todos os anos pela primavera vinham Alfredos à varanda...mas não há amor como o primeiro.

    ResponderEliminar
  5. chico castor11:24 da manhã

    em caso de dúvida convém dar-lhe nomes como gomes, gonçalves, almeida, (ou tantos outros) pq não têm género definido.

    ResponderEliminar